Medo /


O medo é uma sensação que proporciona um estado de alerta demonstrado pelo receio de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente. Pavor é a ênfase do medo. É também uma reação obtida a partir do contato com algum estímulo físico ou mental (interpretação, imaginação, crença) que gera uma resposta de alerta no organismo. Esta reação inicial dispara uma resposta fisiológica no organismo que libera hormônios do estresse (adrenalina, cortisol) preparando o indivíduo para lutar ou fugir.

Medo é um sentimento de grande inquietação ante a noção de um perigo real ou imaginário. Isso mesmo, podemos sentir medo tanto diante de fatos reais, como op que sentimos diante de um cão bravo, como medo de “coisas imaginadas” tais como medo de um “ataque alienígena”, medo de alma penada, medo de duendes, gnomos etc.

É esta a questão: o problema não é o medo, o problema é não saber administrar o medo. Porque não há nada de errado em sentir medo. Trata-se, aliás, de um sentimento fundamental na vida do se humano. O problema é quando ele se torna exagerado e vem associado a outros fatores como insegurança, baixa auto-estima e depressão. É nesse estágio que o medo deixa de ser um sentimento primário (como o amor e a raiva), para tornar-se algo mais complexo que necessita de cuidados.

A resposta anterior ao medo é conhecida por ansiedade. Na ansiedade o indivíduo teme antecipadamente o encontro com a situação ou objeto que possa lhe causar algum mal. Sendo assim, é possível se traçar uma escala de graus de medo, no qual, o máximo seria o pavor e o mínimo uma leve ansiedade. O medo pode se transformar em uma doença (a fobia) quando passa a comprometer as relações sociais e a causar sofrimento psícológico. O medo é um mecanismo de aprendizagem, mas também evolutivo de sobrevivência da espécie, e particularmente do indivíduo.

Para tratar do medo e da fobia nós do Instituto Phisiom usamos a Reprogramação Neurodimensional (RND). Com ela se constrói uma escala de medo, da leve ansiedade até o pavor, e, progressivamente, o paciente vai sendo encorajado procurar em sua história de vida os arquivos e registros do medo para isolá-lo na “lixeira” dos circuitos neuro-mentais-comportamentais. Ao fazer isso o paciente vai gradativamente limpando/deletando suas marcas existenciais e/ou ressignificando suas vivências para atingir comportamentos, tendências comportamentais, intenções, gestos, pensamentos, ideias e atitudes reestruturados para ter uma trajetória de vida harmônica em direção a seus objetivos, metas e sonhos.

As fobias estão estritamente ligadas às ansiedades que são classificadas como Transtornos Fóbicos Ansiosos. Uma pessoa ansiosa tem maior dificuldade em controlar seus pensamentos e emoções e se deixa levar mais facilmente pela imaginação. Esses são ingredientes fundamentais para o medo. Além disso, os sintomas relatados por pessoas que sofrem com fobias são exatamente sintomas de ansiedade: coração acelerado, sensação de desmaio, suor frio, tontura, falta de ar etc.

Nós do Instituto Phisiom utilizamos a hipnose para o paciente regredir na linha do tempo percorrendo a história da sua vida para encontrar a origem das marcas comportamentais que deram origem aos traumas, ansiedades e medos para então mudar o significado dos arquivos dos problemas adquiridos. Para essa regressão, além da hipnose, utilizamos a reprogramação neurodimensional e várias técnicas complementares para o equilíbrio e a harmonia da paciente.